segunda-feira, fevereiro 25, 2013

Madeira - Rating: "Lixo"




Uma agência de classificação de risco de crédito ou, como é chamada em Portugal, uma agência de notação financeira, é uma empresa que, por conta de um ou vários clientes, qualifica determinados produtos financeiros ou activos (de empresas, governos e países), avalia, atribuindo notas, e classifica segundo o grau de risco de que não paguem suas dívidas no prazo fixado. 

Cada agência de classificação de risco possui uma taxonomia própria. Quanto maior for a probabilidade de moratória do agente, pior será a sua nota ou a sua classificação. Todos nós já conhecemos a escala A, B, C, D, sendo que para a Standard & Poor's e para a Fitch, a melhor classificação é "AAA" e a a pior é D. Na escala da Moody's, a melhor classificação é "Aaa" e a pior é "C". E é com base nestas classificações que a banca empresta mais ou menos dinheiro, ou faz este dinheiro custar mais ou menos, e é com base nestas classificações que os grandes investidores fazem as suas apostas.

Os últimos dois anos para a Madeira têm sido verdadeiramente dramásticos. A confiança do todo português já vinha aos poucos se deteriorando em relação à Madeira, mormente de muito má formação e informação (relembre-se a questão dos impostos e da velha querela de que os nossos "luxos" eram pagos por todo o Portugal Continental). Com a vinda a público do "buraco da Madeira", dos, pelo menos, mil e cem milhões de euros "ocultados" das contas regionais, tudo piorou. Mesmo com o PAEF em vigor, uma verdadeira amarra à economia regional - o verdadeiro paga o justo pelo pecador -  os contantes incumprimentos da Região para com os seus fornecedores nada têm ajudado a melhorar este cenário.

A Banca é neste momento o melhor exemplo. Por exemplo, no caso das empresas sediadas na Madeira e das pessoas que cá vivem, a situação atingiu em 2012 o pior cenário possível, com uma quebra de 21,1% face aos valores globais dos empréstimos concedidos pelas instituições financeiras no ano passado. Este valor representou menos 1.556 milhões de euros, de um total em 2012 de 5.796 milhões de euros em crédito concedido. Só para ter uma ideia o que representa esta redução, este valor é praticamente um orçamento anual da Região Autónoma.

A realidade é que não há confiança na nossa Região. Os investidores não investem. O comércio vai aos poucos morrendo. As insolvências multiplicam-se, algumas (para não dizer muitas), com motivos muito dúbios e sem qualquer vontade do MP em investigar a fundo a possível natureza dolosa desse procedimento. Tudo não é culpa do Governo Regional naturalmente. Mas, no que concerne à imagem da nossa Região no exterior, como local seguro para apostar, é um redondo zero! Nestes dias é isto que tem condenado a Madeira. Vai nos valendo o turismo...

Enviar um comentário