domingo, setembro 18, 2005

Quinze jornalistas detidos no Nepal

Quinze jornalistas detidos no Nepal depois de ameaças por parte do exército

Quinze jornalistas foram detidos no Nepal depois de terem sido ameaçados pelas tropas governamentais, descontentes com a cobertura das operações contra a guerrilha maoísta.

As detenções aconteceram quando os repórteres se preparavam para abandonar a localidade de Dailekh, localizada a cerca de 500 quilómetros a noroeste da capital Katmandu, depois de terem recebido várias ameaças, explicou Harihar Singh Rathor, do jornal “Kantipur”, citado pela agência Associated Press (AP).

“Fomos pressionados e até ameaçados porque nos recusámos a censurar notícias sobre actividades do exército”, disse Rathor, explicando que a atitude dos militares levou a que os jornalistas decidissem “fugir para regiões mais seguras”.

De acordo com o correspondente do “Kantipur”, os jornalistas eram chamados pelo exército para serem interrogados sobre a origem das suas fontes e as detenções aconteceram quando os militares descobriram que os repórteres se preparavam para abandonar o zona. As detenções foram efectuadas sem que fosse facultada qualquer justificação, quer pela polícia, quer pelos responsáveis governamentais na região.

Dailekh é uma pequena localidade de montanha com uma forte presença de rebeldes na região. Apenas quatro jornalistas, que trabalham para órgãos de comunicação estatais, decidiram ficar, garantiu Rathor, afirmando que os 15 detidos, que pretendiam abandonar a localidade, pertenciam todos a media independentes.

Entre as notícias que terão incomodado os militares estão algumas em dão conta de treino de crianças locais por parte do exército para combater contra os guerrilheiros. O Exército Real Nepalês tem repetidamente negado recorrer ao recrutamento infantil. Contudo, diversos grupos de defesa dos direitos humanos têm denunciado o uso de crianças como informadores.

O registo de pressões e ameaças sobre jornalistas não é exclusivo do exército, mas é também atribuído às forças maoístas, em zonas de conflito. Desde Fevereiro, quando o rei Gyanendra tomou o poder, foram detidos centenas de jornalistas, e alguns deles continuam presos.

Os rebeldes lutam desde 1996 para abolir a monarquia constitucional, que vigora no país, e instaurar um Estado comunista.

fonte: PUBLICO
Enviar um comentário