segunda-feira, março 04, 2013

Em aviso vermelho!



(Foto: Teresa Gonçalves / DN)

A Madeira esteve sob aviso vermelho, o segundo mais grave na escala do Instituto de Meteorologia (IM), durante o fim-de-semana. Uma associação de previsão de precipitação e ventos fortes, levaram o IM a acionar o aviso vermelho entre as 18 horas de sábado e as 12 horas de domingo. Escusado será dizer que, depois do 20 de Fevereiro de 2010, não há um Madeirense que não leve estas coisas mais a sério... 

 Nesse sentido, apraz-me dizer que o fim de semana no arquipélago foi relativamente calmo e felizmente sem grandes registos de ocorrências depois de um domingo cheio de chuva, muito vento e um mar furioso. Não porém sem estragos. Rajadas fortes de vento fizeram tombar várias árvores em diversas localidades e suspender a actividade do aeroporto da Madeiram, condicionando cerca de duas dezenas de ligações aéreas e afectando perto de quatro mil passageiros. 

A agitação marítima, por seu lado, fez estragos no litoral sul da Madeira. Desde logo, o Lobo Marinho não viaja para o Porto Santo desde Sábado, espectando a sua retoma apenas na quarta-feira. Os estragos mais relevantes sucederam-se em algumas ligações que obrigaram ao seu encerramento - mormente o Caminho dos Pretos, o troço compreendido entre a Encumeada e o Paul da Serra e o troço compreendido entre a Fajã da Ovelha e o Paul do Mar. 

Na Calheta o mar levou mais uma vez a areia amarela que aquela edilidade insiste para decoração da sua frente mar. Esta esteve pouco tempo, já que tinha sido colocada no final do mês passado. Esta praia arteficial de areia, construída em 2004, foi a primeira das "brilhantes ideias" de tornar a Madeira mais parecida com Canárias, foi uma das muitas obras afectadas pelo temporal de 20 de Fevereiro de 2010, e que conseguiu ser incluída na Lei de Meios (embora desconheça-se qual o critério). Seja como for, nada temais, porque fonte da administração da empresa Avelino, Farinha e Agrela (AFA), que está a fazer obras de recuperação, precisamente ao abrigo da Lei de Meios, adiantou que, apesar dos estragos, "o contribuinte não vai pagar mais um cêntimo pela reposição da areia" que chegará "ainda esta semana". São só apenas mais 400 mil euros e oito mil metros cúbicos para refazer a praia. 

 Igualmente uma outra das minhas obras preferidas, a Marina do Lugar de Baixo, foi atingida esta manhã por uma derrocada. Os pedregulhos caíram na zona atrás do campo de volei de praia junto ao parque de estacionamento antigo, atingindo também o outro campo de volei do local. No mar, a agitação marítima também não tem dado tréguas às muralhas da Marina, o que é óptimo para quem pretende (ainda) deixar qualquer tipo de embarcação lá guardada.

Sai um aviso vermelho para os gastos!

Enviar um comentário