segunda-feira, março 25, 2013

Baralhada europeia!


(Foto: Daily Post, UK)

O presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, viu-se forçado esta segunda-feira a clarificar a posição que assumira horas antes em relação ao plano de resgate de Chipre, quando se referiu ao programa cipriota como um modelo de reestruturação dos bancos na zona euro

Num curto comunicado de dois parágrafos, retoma o "blá-blá-blá" habitual sobre os países intervencionados, de que cada caso é um caso. O “Chipre é um caso específico com desafios excepcionais”, escreveu, referindo-se ao programa aprovado no Eurogrupo para a ilha mediterrânica como um “bail-in”, ou seja, um resgate financeiro em que são chamados a participar agentes internos, neste caso, accionistas, obrigacionistas e depositantes dos bancos cipriotas a reestruturar.

Este caso do Chipre vem provar, mais uma vez, que esta rapaziada europeia anda de cabeça perdida. Para além de passarem a ideia que todas as medidas tomadas são uma espécie de "vamos lá ver o que isto dá", esta necessidade de andar constantemente a intervir na economia dos países significa que algo vai mesmo muito mal na União.

Desta baralhada tudo o que se conclui é que o resgate de 10 mil milhões de euros ao Estado cipriota implica uma reestruturação de dois bancos, o Laiki e o Banco de Chipre, num processo em que os depositantes acima de 100 mil euros, accionistas e obrigacionistas terão de assumir perdas de activos. O que, honestamente, não me parece nada de outro mundo. Porém imagino já os russos a espumar pela boca...

Enviar um comentário