sábado, setembro 18, 2010

Marítimo: A história repete-se!

 
(Foto: Record)


No Marítimo a história repete-se. Tal como há quase um ano, um treinador (agora Pedro Martins, ontem Mitchell) salta da equipa B para a A e toma conta de uma formação em francas dificuldades na Liga. Tal como há um ano (então Mitchell foi a Coimbra vencer a Académica por 4-2), Pedro Martins tem a missão espinhosa de vencer, agora em Aveiro e frente ao Beira-Mar, como forma a retirar a equipa do fundo da tabela em que mergulhou. Tal como aconteceu com Mitchell, Pedro Martins pode também ficar como treinador definitivo até ao final da temporada ou, pelo menos, enquanto os resultados assim o permitirem.


Infelizmente Miitchell Van der Gaag não foi feliz neste arranque de época. Depois de quatro jogos facílimos para a Liga Europa (e onde a equipa apenas disfarçou o mal-estar que padecia), vieram 5 derrotas consecutivas, o último lugar no campeonato e a eliminação da Liga Europa, frente a um BATE acessível. Apesar do grande apoio popular que granjeava Mitchell, este veio a ser vítima daquilo que determina o futuro dos treinadores: os resultados. Goste-se ou não se goste, é o que acontece em todo o lado.


E, independentemente do que se possa pensar do treinador holandês e, podendo o próprio queixar-se de uma equipa incompleta (e com valores duvidosos) e de algumas arbitragens perfeitamente disparatadas, a verdade é que a equipa precisava de algo mais, de mais trabalho e, como pão para a boca, de uma vitória. Que tardava em surgir. Espero e desejo que Pedro Martins traga essa lufada e que consiga já, neste fim-de-semana, a primeira vitória, que é o mais importante.


Amanhã há o jantar de aniversário do Marítimo. São 100 velinhas no bolo. Um centenário que celebra um passado glorioso, um trabalho no presente e ambições para o futuro.

Enviar um comentário