quarta-feira, janeiro 28, 2009

Curiosidades estranhas...

 


O homem que não consegue engordar


John Perry sofre de um distúrbio que muitos gostariam de sofrer, nem que fosse por um dia. O inglês de 59 anos pode consumir a quantidade de alimentos que quiser e não consegue engordar. O distúrbio, chamado lipodistrofia, faz com que o corpo queime rapidamente a gordura que absorve.


Quando tinha cerca de 12 anos, Perry comentou que começou a emagrecer sem nenhum motivo aparente. Os médicos, sem ainda saber a causa, imaginaram que ele pudesse sofrer de uma úlcera estomacal e o orientou para que tentasse comer, na tentativa de aumentar o peso, mas sem nenhum resultado. O problema de Perry é causado pela produção de insulina, que é seis vezes maior do que uma pessoa normal.


 
O homem que não sente frio


Difícil acreditar que alguém consegue suportar temperaturas muito baixas. Wim Hof conseguiu provar que isso é possível. O holandês de 48 anos, que ficou conhecido como o 'Homem de Gelo', já correu uma maratona no Pólo Norte, apenas vestindo um short e nadou cerca de 80 metros em água gelada.


Hof atribui os seus feitos à mestria do "Tumo", uma prática budista tibetana que, por meio de meditação, permitiriam ao praticante a criação de um intenso calor corporal, possibilitando-o suportar ambientes de baixíssimas temperaturas. No entanto, a medicina descobriu que, por uma condição rara, Hof não sofre de hipotermia, como ocorre com a grande maioria dos seres humanos. Ao invés disso, o fluxo sanguíneo, que em temperaturas muito baixas é enviado apenas para os órgãos vitais, no caso dele continua sendo fornecido para todo o corpo, não permitindo que os efeitos devastadores do frio.


 
A criança que não dormia


Que filhos pequenos mudam totalmente a rotina da casa, não é nenhuma novidade. Mas agora imagine, uma criança que não dorme. Foi o que ocorreu com Rhett Lamb que, durante três anos, não tinha experimentado uma soneca na vida.


O problema era causado por uma anomalia no tecido cerebral chamada "má-formação de Chiari". Parte do seu crânio era anormalmente pequena e acabava exercendo uma pressão sobre o cérebro. Em Maio do ano passado foi sujeito a uma intervenção cirúrgica e finalmente dormiu. Para descanso dos seus pais.


 
A jovem que é alérgica a água


Ashleigh Morris, uma australiana de 19 anos, não pode usufruir de hábitos comuns às jovens da sua idade. Ela não pode ter contacto corporal com água. Morris sofre de uma doença de pele raríssima, chamada Urticária Aquagênica, que é um processo de alergia extrema à água.


Desde há 5 anos para cá, Morris vem sendo obrigada a mudar seus hábitos higiénicos, pois chegar perto da água faz com que sinta fortes dores. Quando Ashleigh se molha, p seu corpo explode em feridas e caroços, que na maioria levam cerca de duas horas para aliviar. Pior que isso, não há cura ou tratamento.


 
A mulher que não consegue esquecer


Uma californiana de 41 anos tem, reconhecidamente, a melhor memória do mundo. A mulher, que é conhecida apenas como 'AJ', lembra-se de quase todos os dias de sua vida a partir dos 11 anos de idade. Segundo ela, a sua memória passa como um filme, 'ininterrupta e incontrolável'. Ela, por exemplo, lembra-se claramente do que ocorreu no episódio de 'Murphy Brown' de 28 de Março de 1988. Além disso, ela recorda-se de factos mundiais, idas ao mercado, temperatura e outras tantas informações que pessoas comuns não conseguem recordar.


A capacidade AJ é tão difícil de explicar que James McGaugh, Elizabeth Parker e Larry Cahill, neurocientistas da Universidade da Califórnia em Irvine, que a estudam já há sete anos, tiveram de baptizar sua anomalia de síndrome hipertimésica.


 
A mulher que tem alergia à tecnologia


Parece piada mas Debbie Bird é absolutamente alérgica à tecnologia. Para ela, falar ao telemóvel, cozinhar no microondas ou dirigir um carro são tarefas praticamente impossíveis. Tudo porque Bird possui uma sensibilidade ao campo electromagnético criado pela maioria dos aparelhos electrónicos. Como consequência, Debbie sofre uma dolorosa alergia na pele e nas pálpebras, que acabam inchando e ficando 3 vezes maior do que o normal.


Há vários debates sobre esta matéria e a opinião não é consensual entre a ordem médica, considerando uns como incapacidade física, outros psicossomática. No entanto, ninguém nega a condição conhecida como electro-sensitivity (ES), ou sensibilidade electromagnética. Enquanto se procura uma resposta, Debbie vive numa casa livre desta nefasta influência.


 
Estranho mundo este...

Enviar um comentário