quinta-feira, setembro 22, 2005

A frase...

"O país assistiu incrédulo ao regresso de alguém que é acusado de corrupção passiva, abuso de poderes e peculato, que fugiu à justiça, que desafiou de forma acintosa as regras do Estado de direito, para no final verificar que é possível fazer isto tudo e sair em liberdade. Mais: concorrer ainda a um lugar público, o mesmo onde terá cometido os crimes de que é acusada".

José Manuel Fernandes, PÚBLICO, 22-09-2005


Como é possível? Alguém me explica isto por favor? Ou será que para concorrer a qualquer cargo público é necessário ser arguido em um qualquer processo criminal? Para cúmulo, os exemplos acumulam-se e, segundo parece, ninguém se importa...
Enviar um comentário